Emagrecer ou cuidar da saúde está entre as 10 primeiras resoluções de ano novo ou desejos dos portugueses!

Emagrecer ou cuidar da saúde está entre as 10 primeiras resoluções de ano novo ou desejos dos portugueses!

Emagrecer ou cuidar da saúde está entre as 10 primeiras resoluções de ano novo ou desejos dos portugueses!

Nós ajudamo-lo a cumprir as suas resoluções e sugerimos a Dieta Mediterrânica!

Sabia que a Dieta Mediterrânica é classificada como Património Mundial pela UNESCO e faz parte da identidade da gastronomia portuguesa?

A Dieta Mediterrânica teve a sua origem nos países banhados pelo Mar Mediterrâneo ou que por ele são influenciados.

A palavra “dieta” teve a sua origem no termo grego “diaita” que significa estilo de vida equilibrado. A Dieta Mediterrânica é precisamente isso: um estilo de vida marcado pela diversidade. Assim, o conjunto de alimentos que participam na sua alimentação é bastante abrangente:

Hortícolas (cebola, alho, couve galega, grelos, tomate, pimentos, beldroegas…)
Fruta (melão, figo, ameixa, citrinos, nêspera, romã…)
Cereais e tubérculos (batata doce, castanha, massa e arroz integrais, flocos de aveia, pão de centeio, broa…)
Óleos e gorduras (azeite/azeitonas – alimento e respetivo fruto de origem)
Laticínios (queijo e iogurte)
Leguminosas (todas)
Acerca da proteína deve evitar-se carne vermelhas e dar preferência às aves, ovos e pescado (peixe, em especial sardinha, bacalhau, polvo, cavala, atum…)

Dar preferência a consumir o alimento da época – e nós acrescentamos comprar no comércio local, senão nas feiras tradicionais, seguindo o ritmo da colheita e do trabalho do campo – fazem parte de uma cozinha simples que pretende preservar os nutrientes. Por isso temos sopas, ensopados, caçarolas que retêm as propriedades antioxidantes dos ingredientes, contribuindo para uma vida mais longa a quem os ingere.

A dieta mediterrânea se diferencia ainda pelo consumo moderado de laticínios, uso de ervas como tempero em vez de sal, consumo moderado de vinho e apenas com as refeições, consumo de água como principal bebida durante o dia e, não menos importante, a companhia ao redor da mesa. Com efeito, uma característica bem estabelecida dos portugueses é a partilha de refeições, um ritual que reúne família e amigos e é uma marca da nossa hospitalidade.

A Direção-Geral da Saúde (DGS), através do Programa Nacional para a Alimentação Saudável, promove a Roda da Alimentação Mediterrânica.

Em resumo:

·         Escolha alimentos locais e da época
·         Valorize a Gastronomia Saudável
·         Partilhe Refeições – Partilhe Tradições
·         Use Ervas Aromáticas
·         Lembre-se dos Frutos Gordos
Dê preferência às refeições de peixe

Sugestões de receitas, clique num dos links:

Bacalhau com Molho de Laranja

Bacalhau à Lagareiro

Receita do Dia – Polvo à Lagareiro

 

Fonte:

https://www.apn.org.pt/

Roda da Alimentação Mediterrânica

A pitada que faltava, ervas e especiarias!

A pitada que faltava, ervas e especiarias!

Cozinhar peixes e frutos do mar é ótimo! Há muitas opções, sejam peixes, camarões, berbigão, ameijoas, mexilhões – a lista é infinita. A melhor coisa é que geralmente são preparados de maneira muito simples. E ainda, os peixes e o marisco têm um tempo de cozedura muito rápido, o que os torna práticos para qualquer refeição durante a semana e se foram congelados ainda se torna mais rápido porque estão limpos e na maior dos casos não tem as indesejáveis espinhas. Se está a procurar novas maneiras de dar sabor aos seus frutos do mar favoritos, existem muitas especiarias, ervas e temperos para dar um sabor incrível a todos os tipos de peixes e crustáceos.

Aqui estão as melhores ervas e especiarias para usar nas suas receitas com frutos do mar e peixe:

Estragão
Existem três tipos principais de estragão: o francês, o russo e o mexicano, embora os dois primeiros sejam os mais usados. O estragão francês tem um sabor suave, delicado e doce, enquanto a variedade russa tem um sabor mais forte e picante. A erva tem gosto semelhante ao do alcaçuz e tem um sabor refrescante, mas quente. Adicione-o a molhos para colocar sobre o peixe (especialmente peixes gordurosos como o salmão), molhos para saladas de frutos do mar ou numa torta de peixe. O sabor é bastante intenso, então use com moderação.

Salsa
Esta erva tem um sabor limpo, terroso e ligeiramente apimentado que ajuda a equilibrar os pratos de peixe. A salsa tem um efeito decorativo fantástico e pode ser polvilhada sobre qualquer tipo de marisco. Funciona particularmente bem com limão e costuma ser usado como molho de manteiga. Também pode adicionar folhas de salsa frescas numa massa de frutos do mar ou em ensopados e guisados.

Cebolinho
Outra ótima erva que acompanha o peixe é o cebolinho. O sabor é ligeiramente parecido com o da cebola e tem um toque de alho. O cebolinho funciona particularmente bem com sumo de limão e manteiga, bem como marinadas, manteigas e como guarnição sobre os peixes grelhados. Também combinam muito bem com outras ervas como estragão, salsa e cerefólio. O cebolinho também é uma boa opção se quer dar um toque de cor ao seu prato!

Aneto
Também conhecida como o endro, é uma das melhores ervas para acompanhar o marisco. Frequentemente usada como guarnição, esta erva emplumada tem um sabor delicado que funciona bem para realçar o sabor de peixes e frutos do mar. Polvilhe endro fresco sobre o salmão grelhado, amasse com manteiga ou azeite para derreter sobre um filete de peixe ou use endro seco para temperar com molho de limão. Também pode usar sementes de endro, que têm um sabor limpo e picante. Polvilhe sobre caçarolas ou frutos do mar grelhados.

Paprica defumada
Quer saber qual é a diferença entre paprica defumada e paprica? É muito simples – mas faz toda a diferença quando se trata de sabor. Em vez de pimentas secas normais, a paprica defumada usa pimentas que foram desidratadas, dando ao tempero um adorável sabor amadeirado. É um dos principais temperos da paella espanhola. Ao saltear mariscos, polvilhe um pouco de paprica defumada para obter um molho rico e defumado. Também é ótimo para ensopados, massas de peixe e num molho para peixes fritos na frigideira.

Gengibre
Esta especiaria aromática, pungente e ligeiramente picante é um excelente complemento para tantos pratos de marisco diferentes.  As raspas funcionam bem com sabores doces e salgados. Peixe a vapor e ao lado de gengibre, cebolinha e molho de soja para uma refeição de inspiração asiática. Junte o gengibre, o alho e a pimenta numa frigideira com camarão e terá um acompanhamento fácil, mas delicioso. Para um prato simples, mas saudável, experimente adicionar gengibre e tomate a um ensopado de peixe, sabe especialmente em dias mais frescos.

Açafrão
‘Primo’ próximo do gengibre, o açafrão tem um sabor rico, quente e aromático. Também confere aos pratos uma bela cor amarelada / alaranjada. Embora a curcuma moída seja mais usada na culinária, é possível usar raiz de curcuma fresca. Use-o da mesma forma que faria com gengibre fresco – ralado ou amassado num pilão ou almofariz. Adicione o tempero a caril, ensopados de peixe e molhos.

Cominhos
Este tempero quente e terroso tem doçura e amargura. É frequentemente usado em pratos indianos, mexicanos e do Oriente Médio. Para um prato simples e descomplicado, acrescente cominho ao tomilho, colorau e pimenta-limão para esfregar as especiarias antes de fritar os filetes de peixe. Adicione cominho às marinadas e aos caldeirados e ensopados de peixe. Também pode combinar cominho com outros sabores como alho, coentros e pimenta em pó.

Canela
Nós sabemos o que está a pensar. Canela com peixe? Sim! Quer seja moída ou inteira, essa especiaria funciona muito bem e, talvez surpreendentemente.  Use canela em pó no refogado para iniciar um estufado de peixe. Para um acompanhamento que toda a família vai adorar, experimente adicionar canela aos ingredientes nas postas de peixe.

E para o fim fica o tempero para quem não gosta de arriscar! Limão, salsa e pimenta branca fica bem com qualquer peixe ou marisco na frigideira ou no forno.

 

Fonte: seasonedpioneers

Bacalhau o nosso ‘fiel amigo’

Bacalhau o nosso ‘fiel amigo’

Diz-se que fomos o primeiro povo a introduzir este peixe que é hoje universalmente conhecido, na nossa alimentação. Diz-se também que português que é português não dispensa um bom prato de bacalhau preparado com os melhores ingredientes e são dezenas as combinações que a nossa gastronomia oferece, agradando a todos os gostos.

Os portugueses descobriram o bacalhau por volta do século XV, época das navegações e tempo das grandes descobertas. Nessa altura procuravam produtos que não fossem perecíveis e que suportassem longas viagens. Após várias tentativas com diversos tipos de peixes da nossa costa, descobriram, em 1947 na Terra Nova (Canadá), o bacalhau, encontrando assim a solução para uma alimentação saudável durante as longas jornadas no mar. O bacalhau foi então apelidado de “fiel amigo”, por estar sempre presente e nunca faltar por não se deteriorar.

Como era mais barato e de maior duração que os peixes habitualmente consumidos pelos portugueses, rapidamente o seu consumo se propagou pela população, tornando-nos no maior consumidor de bacalhau a nível global.Alguns registos indicam que em 1508 o bacalhau correspondia a cerca de 10% do pescado comercializado no nosso país.Em 1596, no reinado de D. Manuel, era cobrado o dízimo da pescaria efectuada na Terra nova nos portos de Entre Douro e Minho.

Nesta altura também já se pescava o bacalhau na costa africana.O bacalhau passava assim a fazer parte dos hábitos alimentares portugueses, sendo ainda hoje uma das principais tradições gastronómicas do nosso país. Somos o primeiro importador do mundo de Bacalhau da Noruega (reconhecido pela sua qualidade, textura e sabor únicos), o que faz com que este peixe tenha sido apelidado por nós de “fiel amigo”. Um termo carinhoso que transmite bem a ideia do papel do bacalhau na alimentação dos portugueses.

Bacalhau é o nome comum de várias espécies de peixes classificadas em vários géneros, em particular no género Gadus. Dentre as várias espécies de peixes comercializados como bacalhau destacam-se duas: a Gadus morhua, que habita as águas frias do Oceano Atlântico, nas regiões do Canadá e do Mar da Noruega e a Gadus macrocephalus que habita o Oceano Pacífico na região do Alasca. O bacalhau considerado «original» ou «verdadeiro» é o encontrado no mar Atlântico, ou seja o Gadus morhua. O Gadus vive nos mares frios do norte, sendo geralmente de tamanho pequeno, embora alguns exemplares possam chegar a pesar 100 kg e medir pouco menos de dois metros. Na verdade o tamanho do bacalhau é usado para a sua classificação desde o bacalhau miúdo (com menos de 0.5kg) até ao bacalhau especial Jumbo (mais de 4.5kg). Gadus morhua é um predador que se alimenta de crustáceos na fase juvenil e de outros peixes quando adulto. Segundo a UICN, esta espécie está catalogada como vulnerável devido à sobre-exploração de algumas zonas de pesca, como o Atlântico noroeste (costa do Canadá).

O bacalhau está tão presente na cultura portuguesa que é mesmo usado em expressões populares como “ficar em águas de bacalhau” que significa “ficar sem efeito/dar em nada” ou ainda “dá cá um bacalhau” que significa um “aperto de mão/cumprimento”.

O bacalhau tem uma enorme importância na gastronomia portuguesa e há quem lhe chame de «fiel amigo» dos portugueses. Diz-se que há mais de 1000 receitas com bacalhau!! Não é à toa que os portugueses são os maiores consumidores de bacalhau da Europa. E hoje, vamos mostrar-vos um pequeno petisco, ótimo para apreciar em qualquer altura do ano e muito prático para levarmos num piquenique ou para recuperarmos forças enquanto aproveitamos um belo passeio ou caminhada pela Natureza!

“Os meus romances, no fundo, são franceses, como eu sou, em quase tudo, um francês – excepto num certo fundo sincero de tristeza lírica que é uma característica portuguesa, num gosto depravado pelo fadinho, e no justo amor do bacalhau de cebolada!”
Eça de Queiroz (carta a Oliveira Martins)

Bacalhau com Molho de Laranja

Bacalhau com Molho de Laranja

A receita de bacalhau com molho de laranja é muito fácil preparar e resulta em num prato diferente do tradicional, mas delicioso, nutritivo, saudável, com sabor e aroma únicos.
O tempo de preparação é cerca de uma 1h20m dá para seis porções generosas.

Ingredientes:

⦁ 1 quilo de lombos de bacalhau demolhadas da Moreira Congelados;
⦁ 200 ml de azeite;
⦁ 1 colher de orégãos;
⦁ 1 pimento;
⦁ 2 folhas de louro;
⦁ 300 gramas de mini cebolas;
⦁ 4 dentes de alho amassados;
⦁ 500 ml de sumo de laranja natural;
⦁ 2 colheres de manteiga;
⦁ 100 ml de vinho branco seco;
⦁ 2 cenouras pequenas cozidas al dente e picadas aos cubinhos;
⦁ 1 alho francês (só a parte branca) cortado em rodelas e cozido al dente;
⦁ 600 gramas de batatas descascadas, cortadas em cubos e cozidas al dente.

Preparar o bacalhau com molho de laranja.

⦁ Corte as postas de bacalhau em pedaços do tamanho da sua preferência e disponha tudo numa travessa grande para ir ao forno. Regue com azeite de oliva a gosto;
⦁ Junte também os orégãos, o pimento cortado aos bocadinhos, as minis cebolas, o alho amassado e as folhas de louro cortadas em pedaços.
⦁ Leve a travessa ao forno pré-aquecido a 180°C por quarenta minutos ou até dourar as postas.
⦁ Coloque o sumo de laranja, o vinho branco e a manteiga para ferver num tacho (fogo brando) até que o líquido fique reduzido à metade. Deixe reservado.
⦁ Numa frigideira, salteie os legumes já cozidos no azeite. Deixe reservados.
⦁ A receita de bacalhau com molho de laranja está perfeita. Agora, leve tudo à mesa e sirva o bacalhau, coloque as postas intercaladas com os legumes salteados. Regue com a redução do suco de laranja, manteiga e vinho branco seco.

Fonte da Receita : http://bit.ly/3ogqehz

O bacalhau é o rei do Natal!

O bacalhau é o rei do Natal!

Estamos a dias da festa da família e dos melhores amigos, celebramos o amor e aquele espírito natalício característico. Claro que ao nível gastronómico também pode escolher outra receita, mas normalmente o bacalhau fica em primeiro lugar na escolha dos portugueses. O bacalhau, tal como os restantes peixes, é de fácil digestão, apresenta uma elevada riqueza em proteínas de alto valor biológico, de minerais como o iodo, fósforo, sódio, potássio, ferro e cálcio e de vitaminas do complexo B. É considerado um peixe magro e o fígado deste peixe é o principal reservatório de gordura, de onde se extrai o conhecido óleo de fígado de bacalhau, importante fonte de vitamina A e D, muito útil na prevenção de uma série de doenças. Hoje partilhamos uma receita tradicionalmente portuguesa e deliciosa:

BACALHAU À ZÉ DO PIPO

Para 5 pessoas
INGREDIENTES
4 postas de bacalhau demolhado
2 kg de batatas
2 cebolas
3 dentes de alho
1 l de leite
100 g de manteiga
1,5 dl de azeite
6 colheres (sopa) de maionese
1 ovo batido
1 folha de louro
Azeitonas q.b.
Salsa q.b.
Sal e pimenta q.b.

Preparação
– Descasque as batatas, corte-as ao meio, lave-as e coza-as em água temperada de sal durante 20 minutos. Leve ao lume um tacho com o leite, deixe ferver, junte as postas de bacalhau e deixe cozer durante 10 minutos. Depois retire o bacalhau, escorra-o e coloque-o num tabuleiro de louça. Reserve o leite de cozer.
– Descasque as cebolas e os alhos, pique tudo, deite para um tacho, junte o louro e o azeite, leve ao lume e deixe cozinhar até a cebola ficar transparente. Adicione 1 dl do leite de cozer o bacalhau, mexa, tempere com sal e pimenta, deixe ferver um pouco e retire do lume.
– Ligue o forno a 200ºC. Escorra as batatas, reduza-as a puré, junte a manteiga e mexa bem. Adicione o ovo batido, mexa e junte depois o restante leite de cozer o bacalhau, aos poucos e apenas o necessário até ficar um puré macio e consistente. Retifique o sal e tempere com uma pitada de pimenta.
– Espalhe a cebola em cima das postas de bacalhau, deite o puré de batata num saco de pasteleiro com boquilha frisada e disponha em montinhos à volta do bacalhau. Espalhe a maionese em cima do bacalhau, leve ao forno até ficar bem douradinho, retire e sirva quente decorado com raminhos de salsa e azeitonas.
Saúde não lhe vai faltar!

Fonte: https://www.teleculinaria.pt/receitas/peixes/bacalhau-ze-do-pipo/

Sustentabilidade Ambiental

Sustentabilidade Ambiental

De acordo com a Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento da Organização das Nações Unidas (ONU), sustentabilidade ambiental consiste em atuar de forma a garantir que as gerações futuras tenham os recursos naturais disponíveis para viver de forma igual, se não melhor, às gerações atuais.

Uma caminhada na praia ou uma caminhada nas nossas florestas são exemplos perfeitos de sistemas sustentáveis.

Sem os recursos naturais, que incluem água, o oxigênio, minérios, solo, a energia e calor do sol, as florestas, os animais o homem não pode viver. E por isso podemos medir a essencialidade de manter esses recursos de maneira sustentável.

Todos nós temos um papel para garantir a sustentabilidade ambiental e já começamos a aplicar. O consumo de produtos naturais, evitar consumir excessivo de produtos químicos, reutilizar embalagens, separar o lixo e incentivar a reciclagem, utilizar transportes menos poluentes, ensinar as crianças e jovens com uma educação ambiental adequada, são algumas ações.

Enquanto indivíduos podemos agir, no entanto, as organizações devem contribuir para a causa em maior escala:

  • Gestão consciente do material como aliada na gestão financeira interna.
  • Reavaliar os setores econômicos – pesca sustentável, construção verde, agricultura sustentável ou práticas de trabalho, como arquitetura sustentável
  • Aproveitamento dos recursos naturais: tecnologias verdes, energias renováveis e etc
  • Fazer ajustes nos estilos de vida individuais de todos os colaboradores
  • Reciclagem de material no ambiente corporativo e um descarte do lixo de maneira responsável.

Queremos ser importantes influenciadores na vida dos nossos clientes e futuras gerações alterando a realidade da Congelados Moreira para promover maior sustentabilidade ambiental.

Estamos a alterar a nossa empresa:

– Colocação de painéis solares em todas as nossas fábricas

– Colocação de gases, nas nossas câmaras frigoríficas, com poluição zero através da nova tecnologia Co2.

– Consciencialização ambiental com os nossos colaboradores

O progresso é contínuo e outras medidas estão a ser estudadas.

Pesca sustentável é a nossa matéria prima

Pesca sustentável é a nossa matéria prima

A pesca sustentável permite a manutenção da vida selvagem no oceano e na água doce para o futuro. Os ambientes aquáticos são a casa de inúmeras espécies de peixes e invertebrados, muitos dos quais são consumidos como alimento, (outros são colhidos por razões econômicas, como as ostras que produzem pérolas usadas na joalheria). Os frutos do mar são respeitados em todo o mundo, nas mais diversas culturas, como importante fonte de proteínas e gorduras saudáveis. Por milhares de anos, as pessoas pescaram para alimentar famílias e comunidades locais.

A elevada procura de peixe e os avanços na tecnologia levaram a práticas de pesca que estão a comprometer a quantidade das populações de peixes e crustáceos em todo o mundo. Estima-se que são pescados mais de 77 bilhões de quilos de vida selvagem do mar a cada ano. Os cientistas temem que ao continuar a pescar neste ritmo, num futuro próximo possa resultar num colapso da pesca mundial. Para continuarmos a usufruir desta importante fonte de alimento, é urgente acionar práticas de pesca sustentáveis.

A pesca sustentável permite o respeito do ecossistema, o princípio é deixar peixes suficientes no mar para que possam continuar a sua reprodução e garantir a subsistência das pessoas que dependem da pesca.

A sustentabilidade de uma pescaria é um processo contínuo e queremos que seja garantida o prolongamento da área de negócio para que também possamos assegurar a qualidade do nosso produto e atender as necessidades dos nossos clientes.

As tecnologias inovadoras e o conhecimento científico estão a aumentar e assim são desenvolvidas novas maneiras de conservar os recursos marinhos para as gerações futuras.

Só nosso  peixe é proveniente de pesca sustentável!

Sabe quais os peixes mais indicados para a grávida?

Sabe quais os peixes mais indicados para a grávida?

Hoje comemora-se o Dia da Grávida!

Nesta fase da vida deve-se ter outros cuidados e prestar atenção no que ingere para que tudo corra bem. Por isso deixamos-lhe aqui algumas indicações dos peixes que deve ou não comer.

O peixe faz parte de uma alimentação saudável do nosso dia a dia, portanto recomenda-se que inclua no seu menu semanal de 2 a 3 vezes por semana, fresco e/ou congelado, grelhado ou assado (de preferência). São ótimas fontes de fósforo, proteína e ômega 3, que é um tipo de gordura boa para o organismo que auxilia no processo de desenvolvimento neurológico da criança.

Os Peixes e marisco mais indicados na gravidez

Alguns peixes e marisco mais recomendados para consumir durante a gestação são:

  • Salmão;
  • Sardinha;
  • Linguado;
  • Perca;
  • Pescada;
  • Camarão;

 

Durante a gravidez, evite um consumo exagerado de peixes com elevado teor de metais pesados (peixe-espada, cação, cavala e atum), peixe fumado e marisco, bem como peixe proveniente de rios contaminados.

A ingestão semanal de 360 g de peixe ou marisco com baixo teor de mercúrio (salmão, camarão, escamudo e robalo) é segura.

 

Cuidados a ter com marisco e peixe na gravidez

Peixe e marisco deve ser bem cozinhado

Evite peixe cru ou mal confecionado.

Tal como para o peixe, deve sempre assegurar-se de que o marisco está bem cozinhado e se não conseguir ou não souber determinar o seu grau de preparação evite a sua ingestão.

Evite o marisco que tem concha e também deve ter também cuidado com os mexilhões, chocos, polvo ou lagostins.

A principal razão para estes cuidados deve-se à presença de salmonela em alimentos crus, uma vez que esta pode originar intoxicações alimentares.

Optar por peixe congelado

Não é uma regra geral, mas muitas vezes o peixe congelado oferece mais segurança porque as temperaturas de congelação destroem alguns micro-organismos.

Contudo, não diminua os cuidados na preparação e confeção apenas por ser peixe congelado. É essencial que todos os alimentos sejam preparados a altas temperaturas para garantir que estão bem cozinhados aquando da sua ingestão.

Cuidado no armazenamento

O peixe e o marisco devem ser sempre armazenados no frio para prevenir que haja desenvolvimento de micro-organismos ou agentes patogénicos.

Prevenir a contaminação

A higienização das mãos é crucial e não usar os mesmos utensílios (por exemplo, facas e tábuas) para preparar o peixe ou marisco cru e, posteriormente, cozinhado sem que estes sejam bem limpos.

Este artigo não dispensa o aconselhamento com o seu profissional de saúde.

Informem-se corretamente e desfrutem!