Evitamos a emissão de aproximadamente 520 toneladas de CO2 por ano

Evitamos a emissão de aproximadamente 520 toneladas de CO2 por ano

A Moreira Congelados implementou recentemente duas centrais fotovoltaicas em autoconsumo na sua unidade fabril situada em Sangalhos, Oliveira do Bairro.

Com uma potência total de aproximadamente 1,5 MW, estas centrais irão permitir evitar a emissão de aproximadamente 520 toneladas de CO2 por ano, o equivalente a plantar 17900 árvores.

Todos nós temos um papel para garantir a sustentabilidade ambiental e já começamos a aplicar. Este é investimento que representa a aposta da Moreira Congelados num futuro cada vez mais sustentável.

Porque é que o peixe congelado é melhor

Porque é que o peixe congelado é melhor

Pode parecer lógico pensar que o peixe fresco é sempre melhor do que congelado, mas na verdade, isso pode não ser verdade.

As técnicas modernas de congelação tornam muitos dos peixes que são congelados superiores aos dos ditos frescos. Isto porque muitos peixes são agora congelados diretamente no barco, poucos minutos depois de serem capturados, em unidades de congelação rápidas que mantêm uma temperatura muito abaixo do congelador doméstico típico. E o peixe criado em aquacultura é congelado no local, uma vez que os congeladores são incorporados no local.

Uma vez que mais de 85% dos mariscos que comemos são importados, a maioria deste peixe é congelado antes de chegar ao nosso mercado local de peixe ou mercearia. Alguns peixes que são rotulados como “frescos” são de facto previamente congelados, e embora os peixinhos respeitáveis o revelem, nem todos os mercados de peixe o fazem.

 

Onde vive é importante!

 

Algo em que se deve pensar ao escolher entre peixe fresco e congelado é a sua geografia: Vive num raio de 60 km de uma costa? Se sim, então comprar peixe fresco é uma boa ideia, desde que o peixe que está a selecionar seja local e próprio da estação do ano.

Pode obter excelente peixe fresco no interior, mas os preços serão muito mais elevados e a qualidade do peixe pode ser questionável, o cado dos lagostins são um dos exemplos.

 

Encontrar o Mais Fresco Congelado

 

Existe claramente um caso para comprar peixe congelado, mas nem todos os peixes congelados são criados de forma igual. Há alguns mercados onde há filas após filas de peixe simplesmente atiradas para uma embalagem de esferovite e mergulhadas no congelador. Não se quer comprar isso. Para encontrar o melhor peixe ultracongelado, é necessário procurar uma de duas coisas: Um peixe selado a vácuo – estes são sempre a sua melhor aposta – ou um peixe com um espesso esmalte de gelo sobre ele. Este é um método de congelação mais antigo que protege bem o peixe.

E, quer esteja a comprar peixe fresco ou congelado, há sinais indicadores de que o peixe foi ou não armazenado corretamente. Se estiver a comprar peixe inteiro, quer ter a certeza de que os olhos estão claros e não nublados. Se estiver a comprar filetes, a carne deve ser uniforme na cor e não desbotada, o que significa que o peixe está envelhecido.

 

 

Vantagens do Peixe Congelado

 

Há muitas boas razões para comprar peixe congelado, incluindo o sabor, a conveniência e o preço. Uma vez que o peixe é congelado no seu auge da sua frescura, todo o seu sabor e nutrição, bem como a sua textura, está intacta. E desde que o peixe seja devidamente congelado, não importa se é gordo ou magro, ou bifes grossos ou filetes finos.

 

Quando se trata de conveniência, nada bate o peixe congelado.

 

Imagine que é o fim de um longo dia, que não planeou o jantar, e que quer cozinhar algo rapidamente. OS filetes de peixe congelado bem embalados são a sua resposta! Podem ser descongelados facilmente, simplesmente colocados numa tigela de água quente (colocar primeiro o peixe num saco de plástico reciclável) até que os filetes se possam dobrar um pouco. Se tiver um peixe magro, tal como bacalhau ou tilápia, pode colocá-los diretamente na panela ou no forno – sem necessidade de descongelar.

 

O congelamento também prolonga a estação do peixe, faz com que um peixe que é pescado no Verão seja um delicioso deleite em pleno Inverno. Para além de contribuir para a sustentabilidade do planeta!  E como se pode ter suspeitado, o peixe congelado é mais acessível do que o peixe fresco – cerca de 20% mais barato.

 

Quer ter na sua loja peixe congelado para melhor servir os seus clientes?  Fale connosco!

Tempura de Camarão

Tempura de Camarão

Desfrute deste saudável prato de camarão que é super fácil de preparar, com uma massa de tempura leve e estaladiça.

INGREDIENTES

1kg de camarão Moreira Congelados grande e descascado (descongelado)
1 colher de sopa de azeite
1 ovo
2 dentes de alho
1/2 colher de chá de alho em pó
1/4 chávena de queijo parmesão ralado
1/2 chávena de farinha
1 limão, fatiado
salsa, para guarnecer (opcional)

Como fazer:

Pré-aqueça o forno a 180 0 . Pode fazer também numa air fryer ou frito numa fritadeira normal.
Numa tigela média colocar o azeite, a clara de ovo, o alho picado e o alho em pó e misturar.
Colocar o queijo parmesão e farinha noutra tigela média e misturar
Passar o camarão na mistura de azeite, clara de ovo e allho até estar revestido. Uma vez coberto, colocar o camarão na tigela com queijo parmesão e farinha e retirar quando estiver completamente coberto.
Pulverizar levemente a cesta da fritadeira com spray de cozinha antiaderente. Colocar o camarão no cesto e inserir na fritadeira ao ar.
Cozinhar durante 7-9 minutos, ou até que o camarão esteja cozinhado.
Servir com fatias de limão e o seu condimento ou molho ao estilo asiático favorito. Guarneça com salsa (opcional).

Bom apetite!

O guia das pessoas preguiçosas para salvar o Oceano

O guia das pessoas preguiçosas para salvar o Oceano

Segundo as Nações Unidas, todos podemos fazer parte da solução para salvar o Oceano. Cada um de nós, até mesmo a pessoa mais indiferente e preguiçosa pode fazer a sua parte. Felizmente, existem algumas coisas fáceis que podemos adicionar às nas nossas rotinas que, se todos o fizermos, farão uma grande diferença!

 

PREVENIR E REDUZIR A POLUIÇÃO MARINHA E OS RESÍDUOS PLÁSTICOS

 

  • Não tocar nos recifes de coral ao mergulhar.
  • Escolha protetores solares sem produtos químicos que prejudiquem a vida marinha.
  • Reduza o uso de fertilizantes. Quantidades excessivas de nutrientes provenientes de fertilizantes causam má qualidade da água, levam à diminuição do oxigénio e têm um impacto negativo nos recifes de coral.
  • Ao navegar de barco, não danificar ou deixar cair âncoras perto da área dos recifes de coral.
  • Esteja consciente do seu consumo de energia e reduza a sua pegada de carbono.
  • Elimine as embalagens desnecessárias e difíceis de reciclar.
  • Levar as suas próprias embalagens de take-away, garrafas de água reutilizáveis e chávenas de café.
  • Reduza a utilização de produtos plásticos e reduza o desperdício.
  • Pratique a reciclagem adequada do lixo.
  • Diga não aos sacos de plástico e utilize sacos de compras reutilizáveis.
  • Quando aprecia a vista e a experiência na praia, não deixe sempre nada para trás. Recolha e elimine o seu lixo.

 

APOIAR A ECONOMIA AZUL

 

  • Saiba de onde vem o nosso peixe e como ele é pescado para fazer uma melhor escolha no consumo.
  • Quando encomendar frutos do mar num restaurante, pergunte sempre: “Serve frutos do mar sustentáveis? Diga às suas empresas favoritas que os mariscos amigos do oceano estão na sua lista de compras.
  • Tente consumir uma maior variedade de espécies de peixe e apenas a partir de stocks sustentáveis e legalmente capturados.
  • Escolha um turismo sustentável e amigo do ambiente.

 

COMBATER AS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS

 

  • Apague as luzes, TV, computador e portátil quando não precisar deles.
  • Substitua as lâmpadas normais por lâmpadas eficientes em termos energéticos sempre que possível, para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa.
  • Conservar água. Tome duches curtos. As banheiras requerem mais litros de água do que um duche de 5-10 minutos.
  • Coloque uma camisola ou casaco em vez de ajustar o seu termóstato no Inverno. Ajustar o termóstato mais alto no Verão.
  • Bicicleta, andar a pé ou apanhar transporte público. Guarde as viagens de carro para quando tiver um grande grupo.

 

MANTER-SE INFORMADO E DEFENDA A MUDANÇA

 

  • Mantenha-se informado.
  • Leia um livro, veja um documentário, e siga as suas notícias locais sobre o oceano.
  • Seja voluntário para a praia local ou para a limpeza dos recifes.

 

Fonte: https://www.un.org/sustainabledevelopment/the-lazy-persons-guide-of-ocean-actions/

 

 

Emagrecer ou cuidar da saúde está entre as 10 primeiras resoluções de ano novo ou desejos dos portugueses!

Emagrecer ou cuidar da saúde está entre as 10 primeiras resoluções de ano novo ou desejos dos portugueses!

Emagrecer ou cuidar da saúde está entre as 10 primeiras resoluções de ano novo ou desejos dos portugueses!

Nós ajudamo-lo a cumprir as suas resoluções e sugerimos a Dieta Mediterrânica!

Sabia que a Dieta Mediterrânica é classificada como Património Mundial pela UNESCO e faz parte da identidade da gastronomia portuguesa?

A Dieta Mediterrânica teve a sua origem nos países banhados pelo Mar Mediterrâneo ou que por ele são influenciados.

A palavra “dieta” teve a sua origem no termo grego “diaita” que significa estilo de vida equilibrado. A Dieta Mediterrânica é precisamente isso: um estilo de vida marcado pela diversidade. Assim, o conjunto de alimentos que participam na sua alimentação é bastante abrangente:

Hortícolas (cebola, alho, couve galega, grelos, tomate, pimentos, beldroegas…)
Fruta (melão, figo, ameixa, citrinos, nêspera, romã…)
Cereais e tubérculos (batata doce, castanha, massa e arroz integrais, flocos de aveia, pão de centeio, broa…)
Óleos e gorduras (azeite/azeitonas – alimento e respetivo fruto de origem)
Laticínios (queijo e iogurte)
Leguminosas (todas)
Acerca da proteína deve evitar-se carne vermelhas e dar preferência às aves, ovos e pescado (peixe, em especial sardinha, bacalhau, polvo, cavala, atum…)

Dar preferência a consumir o alimento da época – e nós acrescentamos comprar no comércio local, senão nas feiras tradicionais, seguindo o ritmo da colheita e do trabalho do campo – fazem parte de uma cozinha simples que pretende preservar os nutrientes. Por isso temos sopas, ensopados, caçarolas que retêm as propriedades antioxidantes dos ingredientes, contribuindo para uma vida mais longa a quem os ingere.

A dieta mediterrânea se diferencia ainda pelo consumo moderado de laticínios, uso de ervas como tempero em vez de sal, consumo moderado de vinho e apenas com as refeições, consumo de água como principal bebida durante o dia e, não menos importante, a companhia ao redor da mesa. Com efeito, uma característica bem estabelecida dos portugueses é a partilha de refeições, um ritual que reúne família e amigos e é uma marca da nossa hospitalidade.

A Direção-Geral da Saúde (DGS), através do Programa Nacional para a Alimentação Saudável, promove a Roda da Alimentação Mediterrânica.

Em resumo:

·         Escolha alimentos locais e da época
·         Valorize a Gastronomia Saudável
·         Partilhe Refeições – Partilhe Tradições
·         Use Ervas Aromáticas
·         Lembre-se dos Frutos Gordos
Dê preferência às refeições de peixe

Sugestões de receitas, clique num dos links:

Bacalhau com Molho de Laranja

Bacalhau à Lagareiro

Receita do Dia – Polvo à Lagareiro

 

Fonte:

https://www.apn.org.pt/

Roda da Alimentação Mediterrânica

A pitada que faltava, ervas e especiarias!

A pitada que faltava, ervas e especiarias!

Cozinhar peixes e frutos do mar é ótimo! Há muitas opções, sejam peixes, camarões, berbigão, ameijoas, mexilhões – a lista é infinita. A melhor coisa é que geralmente são preparados de maneira muito simples. E ainda, os peixes e o marisco têm um tempo de cozedura muito rápido, o que os torna práticos para qualquer refeição durante a semana e se foram congelados ainda se torna mais rápido porque estão limpos e na maior dos casos não tem as indesejáveis espinhas. Se está a procurar novas maneiras de dar sabor aos seus frutos do mar favoritos, existem muitas especiarias, ervas e temperos para dar um sabor incrível a todos os tipos de peixes e crustáceos.

Aqui estão as melhores ervas e especiarias para usar nas suas receitas com frutos do mar e peixe:

Estragão
Existem três tipos principais de estragão: o francês, o russo e o mexicano, embora os dois primeiros sejam os mais usados. O estragão francês tem um sabor suave, delicado e doce, enquanto a variedade russa tem um sabor mais forte e picante. A erva tem gosto semelhante ao do alcaçuz e tem um sabor refrescante, mas quente. Adicione-o a molhos para colocar sobre o peixe (especialmente peixes gordurosos como o salmão), molhos para saladas de frutos do mar ou numa torta de peixe. O sabor é bastante intenso, então use com moderação.

Salsa
Esta erva tem um sabor limpo, terroso e ligeiramente apimentado que ajuda a equilibrar os pratos de peixe. A salsa tem um efeito decorativo fantástico e pode ser polvilhada sobre qualquer tipo de marisco. Funciona particularmente bem com limão e costuma ser usado como molho de manteiga. Também pode adicionar folhas de salsa frescas numa massa de frutos do mar ou em ensopados e guisados.

Cebolinho
Outra ótima erva que acompanha o peixe é o cebolinho. O sabor é ligeiramente parecido com o da cebola e tem um toque de alho. O cebolinho funciona particularmente bem com sumo de limão e manteiga, bem como marinadas, manteigas e como guarnição sobre os peixes grelhados. Também combinam muito bem com outras ervas como estragão, salsa e cerefólio. O cebolinho também é uma boa opção se quer dar um toque de cor ao seu prato!

Aneto
Também conhecida como o endro, é uma das melhores ervas para acompanhar o marisco. Frequentemente usada como guarnição, esta erva emplumada tem um sabor delicado que funciona bem para realçar o sabor de peixes e frutos do mar. Polvilhe endro fresco sobre o salmão grelhado, amasse com manteiga ou azeite para derreter sobre um filete de peixe ou use endro seco para temperar com molho de limão. Também pode usar sementes de endro, que têm um sabor limpo e picante. Polvilhe sobre caçarolas ou frutos do mar grelhados.

Paprica defumada
Quer saber qual é a diferença entre paprica defumada e paprica? É muito simples – mas faz toda a diferença quando se trata de sabor. Em vez de pimentas secas normais, a paprica defumada usa pimentas que foram desidratadas, dando ao tempero um adorável sabor amadeirado. É um dos principais temperos da paella espanhola. Ao saltear mariscos, polvilhe um pouco de paprica defumada para obter um molho rico e defumado. Também é ótimo para ensopados, massas de peixe e num molho para peixes fritos na frigideira.

Gengibre
Esta especiaria aromática, pungente e ligeiramente picante é um excelente complemento para tantos pratos de marisco diferentes.  As raspas funcionam bem com sabores doces e salgados. Peixe a vapor e ao lado de gengibre, cebolinha e molho de soja para uma refeição de inspiração asiática. Junte o gengibre, o alho e a pimenta numa frigideira com camarão e terá um acompanhamento fácil, mas delicioso. Para um prato simples, mas saudável, experimente adicionar gengibre e tomate a um ensopado de peixe, sabe especialmente em dias mais frescos.

Açafrão
‘Primo’ próximo do gengibre, o açafrão tem um sabor rico, quente e aromático. Também confere aos pratos uma bela cor amarelada / alaranjada. Embora a curcuma moída seja mais usada na culinária, é possível usar raiz de curcuma fresca. Use-o da mesma forma que faria com gengibre fresco – ralado ou amassado num pilão ou almofariz. Adicione o tempero a caril, ensopados de peixe e molhos.

Cominhos
Este tempero quente e terroso tem doçura e amargura. É frequentemente usado em pratos indianos, mexicanos e do Oriente Médio. Para um prato simples e descomplicado, acrescente cominho ao tomilho, colorau e pimenta-limão para esfregar as especiarias antes de fritar os filetes de peixe. Adicione cominho às marinadas e aos caldeirados e ensopados de peixe. Também pode combinar cominho com outros sabores como alho, coentros e pimenta em pó.

Canela
Nós sabemos o que está a pensar. Canela com peixe? Sim! Quer seja moída ou inteira, essa especiaria funciona muito bem e, talvez surpreendentemente.  Use canela em pó no refogado para iniciar um estufado de peixe. Para um acompanhamento que toda a família vai adorar, experimente adicionar canela aos ingredientes nas postas de peixe.

E para o fim fica o tempero para quem não gosta de arriscar! Limão, salsa e pimenta branca fica bem com qualquer peixe ou marisco na frigideira ou no forno.

 

Fonte: seasonedpioneers

Bacalhau o nosso ‘fiel amigo’

Bacalhau o nosso ‘fiel amigo’

Diz-se que fomos o primeiro povo a introduzir este peixe que é hoje universalmente conhecido, na nossa alimentação. Diz-se também que português que é português não dispensa um bom prato de bacalhau preparado com os melhores ingredientes e são dezenas as combinações que a nossa gastronomia oferece, agradando a todos os gostos.

Os portugueses descobriram o bacalhau por volta do século XV, época das navegações e tempo das grandes descobertas. Nessa altura procuravam produtos que não fossem perecíveis e que suportassem longas viagens. Após várias tentativas com diversos tipos de peixes da nossa costa, descobriram, em 1947 na Terra Nova (Canadá), o bacalhau, encontrando assim a solução para uma alimentação saudável durante as longas jornadas no mar. O bacalhau foi então apelidado de “fiel amigo”, por estar sempre presente e nunca faltar por não se deteriorar.

Como era mais barato e de maior duração que os peixes habitualmente consumidos pelos portugueses, rapidamente o seu consumo se propagou pela população, tornando-nos no maior consumidor de bacalhau a nível global.Alguns registos indicam que em 1508 o bacalhau correspondia a cerca de 10% do pescado comercializado no nosso país.Em 1596, no reinado de D. Manuel, era cobrado o dízimo da pescaria efectuada na Terra nova nos portos de Entre Douro e Minho.

Nesta altura também já se pescava o bacalhau na costa africana.O bacalhau passava assim a fazer parte dos hábitos alimentares portugueses, sendo ainda hoje uma das principais tradições gastronómicas do nosso país. Somos o primeiro importador do mundo de Bacalhau da Noruega (reconhecido pela sua qualidade, textura e sabor únicos), o que faz com que este peixe tenha sido apelidado por nós de “fiel amigo”. Um termo carinhoso que transmite bem a ideia do papel do bacalhau na alimentação dos portugueses.

Bacalhau é o nome comum de várias espécies de peixes classificadas em vários géneros, em particular no género Gadus. Dentre as várias espécies de peixes comercializados como bacalhau destacam-se duas: a Gadus morhua, que habita as águas frias do Oceano Atlântico, nas regiões do Canadá e do Mar da Noruega e a Gadus macrocephalus que habita o Oceano Pacífico na região do Alasca. O bacalhau considerado «original» ou «verdadeiro» é o encontrado no mar Atlântico, ou seja o Gadus morhua. O Gadus vive nos mares frios do norte, sendo geralmente de tamanho pequeno, embora alguns exemplares possam chegar a pesar 100 kg e medir pouco menos de dois metros. Na verdade o tamanho do bacalhau é usado para a sua classificação desde o bacalhau miúdo (com menos de 0.5kg) até ao bacalhau especial Jumbo (mais de 4.5kg). Gadus morhua é um predador que se alimenta de crustáceos na fase juvenil e de outros peixes quando adulto. Segundo a UICN, esta espécie está catalogada como vulnerável devido à sobre-exploração de algumas zonas de pesca, como o Atlântico noroeste (costa do Canadá).

O bacalhau está tão presente na cultura portuguesa que é mesmo usado em expressões populares como “ficar em águas de bacalhau” que significa “ficar sem efeito/dar em nada” ou ainda “dá cá um bacalhau” que significa um “aperto de mão/cumprimento”.

O bacalhau tem uma enorme importância na gastronomia portuguesa e há quem lhe chame de «fiel amigo» dos portugueses. Diz-se que há mais de 1000 receitas com bacalhau!! Não é à toa que os portugueses são os maiores consumidores de bacalhau da Europa. E hoje, vamos mostrar-vos um pequeno petisco, ótimo para apreciar em qualquer altura do ano e muito prático para levarmos num piquenique ou para recuperarmos forças enquanto aproveitamos um belo passeio ou caminhada pela Natureza!

“Os meus romances, no fundo, são franceses, como eu sou, em quase tudo, um francês – excepto num certo fundo sincero de tristeza lírica que é uma característica portuguesa, num gosto depravado pelo fadinho, e no justo amor do bacalhau de cebolada!”
Eça de Queiroz (carta a Oliveira Martins)

Bacalhau com Molho de Laranja

Bacalhau com Molho de Laranja

A receita de bacalhau com molho de laranja é muito fácil preparar e resulta em num prato diferente do tradicional, mas delicioso, nutritivo, saudável, com sabor e aroma únicos.
O tempo de preparação é cerca de uma 1h20m dá para seis porções generosas.

Ingredientes:

⦁ 1 quilo de lombos de bacalhau demolhadas da Moreira Congelados;
⦁ 200 ml de azeite;
⦁ 1 colher de orégãos;
⦁ 1 pimento;
⦁ 2 folhas de louro;
⦁ 300 gramas de mini cebolas;
⦁ 4 dentes de alho amassados;
⦁ 500 ml de sumo de laranja natural;
⦁ 2 colheres de manteiga;
⦁ 100 ml de vinho branco seco;
⦁ 2 cenouras pequenas cozidas al dente e picadas aos cubinhos;
⦁ 1 alho francês (só a parte branca) cortado em rodelas e cozido al dente;
⦁ 600 gramas de batatas descascadas, cortadas em cubos e cozidas al dente.

Preparar o bacalhau com molho de laranja.

⦁ Corte as postas de bacalhau em pedaços do tamanho da sua preferência e disponha tudo numa travessa grande para ir ao forno. Regue com azeite de oliva a gosto;
⦁ Junte também os orégãos, o pimento cortado aos bocadinhos, as minis cebolas, o alho amassado e as folhas de louro cortadas em pedaços.
⦁ Leve a travessa ao forno pré-aquecido a 180°C por quarenta minutos ou até dourar as postas.
⦁ Coloque o sumo de laranja, o vinho branco e a manteiga para ferver num tacho (fogo brando) até que o líquido fique reduzido à metade. Deixe reservado.
⦁ Numa frigideira, salteie os legumes já cozidos no azeite. Deixe reservados.
⦁ A receita de bacalhau com molho de laranja está perfeita. Agora, leve tudo à mesa e sirva o bacalhau, coloque as postas intercaladas com os legumes salteados. Regue com a redução do suco de laranja, manteiga e vinho branco seco.

Fonte da Receita : http://bit.ly/3ogqehz